domingo, 8 de dezembro de 2013

O Príncipe Sapo

Autor: Jane Porter
Data de publicação: Junho de 2008
Editora: Caleidoscópio
Páginas: 309
ISBN: 978-989-8129-61-1



Era uma vez uma jovem e doce donzela que casou com o homem dos seus sonhos. Depois da lua-de-mel, ela esperou pelo "e viveram felizes para sempre" mas o seu Príncipe Charmoso transformou-se num sapo.
Esta é a história de Holly, uma mulher de 25 anos, que tem de recomeçar a sua vida, depois do casamento de conto de fadas ter acabado. Ao fim de um ano de casada, o divórcio bate à porta e Holly muda de cidade e de emprego para começar de novo. Ela sempre fez tudo o que esperavam dela, pensava nos outros em primeiro lugar e nunca fazia nada de que se arrependesse, até casar com um homem que pensava ser o seu príncipe, mas que na lua-de-mel lhe confessou que não se sentia atraído sexualmente por ela.




De início o livro parecia que não passava do mesmo, Holly estava sempre a lamuriar-se sobre o seu casamento desfeito.
Mas à medida que a história foi avançando a coisa foi mudando e ficando mais interessante e até divertido, dei umas valentes gargalhadas ao lê-lo.
Este livro fez-me lembrar outro do mesmo género em que ao início também parece que não desenvolve e depois é só gargalhadas, estou a falar de "Melância" de Marian Keyes.
Embora Holly parece que nunca sabe o que está a fazer nem o que decidir, o livro é bastante divertido e uma leitura divertida que satisfaz.

sábado, 30 de novembro de 2013

Um Estranho nos Meus Braços



Autor: Lisa Kleypas
Data de publicação: Junho de 2008
Páginas: 317
Editora: Arco de Diana
ISBN: 978-989-626-118-4


«Lady Hawksworth, o seu marido não está morto…» Lara não podia acreditar no que estava a ouvir. O seu marido, desaparecido há um ano num naufrágio, com quem tinha vivido um casamento infeliz e desprovido de amor estava vivo e iria voltar para casa. Como era possível? Lara não conseguiu controlar a emoção quando reencontrou Hunter. O homem frio e cruel que lhe atormentou a vida e só lhe deu dor, vergonha e humilhação no leito matrimonial. Agora estava ali. Mais magro, com a pele mais escura, mais velho… mas sem dúvida que era Hunter. Aquele homem conhecia segredos que só o marido podia saber, tinha a sua fotografia guardada numa peque na caixa , a mesma que ela lhe dera há três anos quando Hunter partira para a Índia . Mas, a o mesmo tempo, era um homem assustadoramente diferente. Mais meigo, atencioso aos seus caprichos, decidido a reconquistar o seu amor, a fazê-la sentir-se uma mulher desejada e a esquecer as memórias tristes do passado. M as será aquele homem realmente o seu ma rido ou um impostor em cujos braços Lara se entrega em busca da felicidade ?



Já tinha ouvido falar maravilhas acerca deste livro, e sempre o tentei comprar, mas nunca consegui nem quando havia promoções, ou já estava esgotado, ou então não tinha dinheiro. Mas agora numa visita à biblioteca aqui da zona viu-o e resolvi trazer para matar a curiosidade, ainda fiquei em dúvida, pois pensei que fosse tipos os livros eróticos que agora andam na moda, e os quais já tentei ler, e que só me deram vontade de vomitar, enfim, mas ainda bem que o trouxe pois adorei, achei um história muito bonita, e confesso que muitas vezes me emocionei.
Uma história de amor encantadora, tipo conto de fadas, só tenho pena que não haja mais livros da autora, para pudermos conhecer um pouco melhor a sua escrita.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

A Conspiração dos Antepassados




Autor: David Soares
Data de publicação: Setembro  de 2007
Editora: Saída de Emergência
Páginas: 397
ISBN: 978-989-637-009-1


Um thriller envolto na História de Portugal, e com Fernando Pessoa como personagem principal.
Na tradição dos melhores thrillers, David Soares convida-nos a espreitar debaixo do véu e a vislumbrar a mais assustadora conspiração da História. Um livro assinado por Francisco d’Ollanda, o maior artista português do Renascimento, é cobiçado por uma seita disposta a tudo para o obter.
Que terrível segredo terá nas suas páginas para justificar tanto sangue? Fernando Pessoa, o ilustre poeta português, é convidado por Aleister Crowley, o mágico inglês, a entrar numa aventura cheia de mistério, acção e suspense para descobrir esse segredo que, afinal, talvez tenha a ver com D. Sebastião, e a verdadeira razão porque os portugueses foram derrotados em Alcácer-Quibir.
Do exotismo da Tunísia às ruelas húmidas de Londres, das mandíbulas da Boca do Inferno ao coração da Quinta da Regaleira, A Conspiração dos Antepassados é uma viagem inesquecível. Misturando verdade, lenda e magia, David Soares apresenta-nos algo nunca visto na literatura portuguesa: um romance cuja meticulosa pesquisa vai agradar aos estudiosos de Fernando Pessoa, e cuja energia vai encantar os fãs de uma grande aventura.




Estou farta de dar voltas à cabeça para ver o que hei-de escrever acerca deste livro. Mas tirando o facto que comecei com grandes expectativas, pois adoro a poesia de Fernando Pessoa, o facto é que foi praticamente um suplício a sua leitura, e fez-me lembrar um livro que já li "Passageiros da Neblina" de Monserrat rico Góngora, o qual praticamente fala do mesmo que este, e por vezes as cenas parecem tão similares que se diria ter sido copiadas, e em que me aconteceu o mesmo muito expectativa e depois nada, como se costuma dizer muita parra e pouca uva.
Achei maioritariamente uma narrativa entediante, que não passa do mesmo sempre a bater na tecla, e depois nunca se percebe nada do raio das revelações dos transes e nada avança, tudo muito envolto em nevoeiro que nunca se dissipa.
Já é o segundo livro que leio deste autor e confesso que também não gostei, o "Batalha" adorei o início e fiquei a fazer figas para que assim continuasse, mas a verdade é que tem um fundo melhor que este, e é como que uma história de fé, mas mesmo assim acho que falta algo, e não sei explicar bem para os livros serem mais apelativos e deixarem o leitor ávido por mais.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Uma Promessa de Felicidade



Autor: Anita Shreve
Data de publicação: Fevereiro de 2013
Editora: Porto Editora
Páginas: 269
ISBN: 978-972-0-04551-5




Margaret e Patrick estão casados há apenas alguns meses quando decidem partir para o Quénia, convencidos de que irão viver uma grande aventura em África. No entanto, Margaret depressa se apercebe de que não conhece os costumes complexos do seu novo lar e tão-pouco o homem que tem ao seu lado.
Quando, certo dia, um casal inglês os convida para escalar o monte Quénia, eles aceitam, entusiasmados, o desafio. Porém, durante a árdua subida, ocorre um terrível acidente e, no rescaldo da tragédia, Margaret ver-se-á enredada numa teia de dúvidas sobre o que se passou realmente na montanha. Estes acontecimentos, que a irão afetar profundamente, terão consequências indeléveis no seu casamento.

Uma Promessa de Felicidade retrata-nos a relação de um casal, o impacto definitivo da tragédia e a natureza esquiva do perdão. Com uma linguagem soberba e uma enorme profundidade, Anita Shreve conduz-nos pelas paisagens exóticas de África, numa viagem até ao interior de nós mesmos.



Eu nem sei bem o que dizer, escrever sobre este livro, pois desde o início o livro pareceu-me estranho sem muita consistência.
Depois conforme fui lendo a coisa parecia que ia mudar que tudo ia levar uma grande lufada de ar fresco, mas voltamos ao mesmo, e disso mesmo a história não passa.
Já tinha lido outros livros da autora e não me pareceram tão estranhos e sem interesse.
Mas este foi verdadeiramente um suplício lê-lo, as personagens parecem muito metidas consigo próprias sem se interessarem em falar sequer umas com as outras, cada um faz o que lhe dá na gana depois acontece algo trágico ou então surgem problemas todos se chateiam, mas ninguém resolve nada.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Beleza Atormentada




Autor: Cecilia Samartin
Data de publicação: Fevereiro de 2012
Editora: Vogais
Páginas: 297
ISBN: 978-989-668-139-5


Ainda jovem, Jamilet vê a sua vida mudar quando a mãe morre. Durante anos é apontada e atormentada na sua aldeia natal no México por causa da marca hedionda que tem no corpo. Ela rejeita ficar com a avó, e decide partir para os EUA à procura de alguém que a ajude. É em Los Angeles que Jamilet vai descobrir a beleza do amor e da amizade, ao conhecer Don Peregrino. Nesta história inspiradora, de redenção e amor, que percorre o milenar Caminho de Santiago, Cecilia Samartin, «a sucessora de Isabel Allende», dá-nos uma perspetiva iluminadora do verdadeiro significado da beleza.



Li este livro emprestado e não sabia que o tinha em casa para ler mas tendo outro nome, eu tinha cá "Don Peregrino" da mesma autora e não é que é o mesmo livro mas com títulos diferentes.
Quando acabei de ler este é que comecei a lembrar que tinha lido uma sinopse num livro mesmo semelhante ao que se passava no livro, e fui ver é exactamente o mesmo livro só que com títulos diferentes.
De início o livro não parece ser nada por aí além, mas não desisti da leitura e coisa foi melhorando, e confesso que de todo o livro o que mais gostei foi do final.
Pelo meu ver foi o final que salvou o livro senão não dava nada por ele.
É uma história muito atormentada, cheia de desgraças, em que tudo parece correr pelo pior possível, sem melhorias à vista e ainda por cima sempre com uma ideia fixa que condiciona todas as atitudes e decisões da personagem principal.
O final é como uma lufada de ar fresco no meio de miasmas, fazendo a história ter uma reviravolta inesperada que enche de confiança as personagens principais e que os faz deitar para trás das costas tudo aquilo que os condicionava.

sábado, 26 de outubro de 2013

Olhos Brilhantes




Autor: Catherine Anderson
Data de Publicação: Setembro de 2010
Editora: Arcádia
Páginas: 433
ISBN: 978-989-28-0027-1


Zeke Coulter é um solteirão convicto e não revela quaisquer intenções em casar. Até que compra o rancho vizinho ao de Natallie Petterson, uma mulher muito atraente e divorciada, mãe de duas crianças, uma família completamente doida e um ex-marido envolvido em negócios obscuros. Quando o filho pré-adolescente de Natalie vandaliza a propriedade do vizinho, e esta se vê incapaz de pagar os estragos, Zeke oferece-lhe a possibilidade de que a divida seja paga com o trabalho do rapaz no rancho. Zeke tenta incutir alguma responsabilidade no rapaz e enquanto o faz começa a dar-se conta da grande reviravolta que se está a processar na sua vida. Natalie tem uma voz maravilhosa mas não acredita no seu talento nem na possibilidade de singrar no mundo da música. Mas, depois de a ouvir, Zeke está não só determinado a provar-lhe que tem talento mas também em demonstrar-lhe que há homens dignos de confiança. E, naturalmente acaba por a seduzir. Mas a atracção crescente entre ambos é ameaçada por algo que pode condenar a sua felicidade.


Ai, suspiro mais um livro desta autora que adorei, só tenho pena de não ter tido mais tempo para o poder ler mais depressa.
É uma linda história de amor, tal como a autora já nos habituou, adorei a maneira como a história se foi desenrolando, como da uma das personagens foi descobrindo os seus sentimentos apesar de todos os problemas.
Eu nem sei que palavras utilizar para descrever como é que uma história assim nos deixa tão sonhadoras e leves, eu pelos menos fiquei como que a pairar, e o livro que comecei a ler a seguir foi difícil conseguir entrar na história visto estar ainda digamos de ressaca deste.
As personagens são muito bem estruturadas ao longo da narrativa vai nos sendo apresentado os seu passado ao poucos e tudo o que acontece na narrativa encaixa perfeitamente como num puzzle.
Recomendo vivamente.



segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Reviver o Passado em Brideshead




Autor: Evelyn Waugh
Data de Publicação: Outubro de 1982
Editora: Moraes Editora
Páginas: 327
ISBN:


O romance mais nostálgico e reflectido de Evelyn Waugh, «Reviver o Passado em Brideshead», recorda a idade de ouro antes da Segunda Guerra Mundial. Conta a história da profunda atracção de Charles Ryder pelos Marchmain e o rápido declínio do mundo em que estes viviam.

Outra decepção, trouxe este livros e os repectivos dvds da série da biblioteca, porque uma amiga me disse que era muito bom, mas depois de levar uma semana para ler o livro, não vou pegar nos dvds vou devolvê-los sem ver.
O livro é uma autêntica seca não há acção nenhuma, andam de festa em festa, de bebedeira em bebedeira, um não gosta da família porque diz o que querem controlar e que o sufocam, outro adora a família do amigo porque na dele ninguém lhe liga, enfim.
Achei um livro muito maçador e que as personagens carecem de carácter.

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Os Aromas do Verão




Autor: Joyce Maynard
Data de Publicação: Julho de 2011
Editora: Porto Editora
Páginas: 220
ISBN: 978-972-0-04537-9


Esta é a história de Henry, Adele e Frank, e de um longo fim-de-semana que mudou as suas vidas. Henry é um rapaz de 13 anos, solitário, sem amigos, que passa a maior parte do tempo a ver televisão, a ler e a lidar com o despertar da sua sexualidade. As suas únicas companhias são a mãe, há muito divorciada, e Joe, um hamster; as suas únicas saídas são com o pai distante e a nova família deste, aos sábados à noite, para ir jantar. Apesar dos seus esforços, Henry sabe que não consegue fazer feliz a mãe, Adele, uma mulher emocionalmente frágil. Adele tem um segredo que a leva a refugiar-se em casa e que parece ter destruído a sua vida.
Mas toda esta situação muda quando entra nas suas vidas Frank, um homem misterioso que se encontra ferido e pede ajuda a Henry. No longo fim-de-semana que passam juntos, Henry vai aprender algumas das lições mais valiosas da vida: a dor intensa do ciúme, o poder da traição e a importância de colocar os outros, principalmente os que amamos, acima de nós próprios. Vai aprender sobretudo que vale a pena esperar pelo verdadeiro amor.
Joyce Maynard, através de uma escrita poderosa, fala-nos do amor, da paixão, da vivência dolorosa da adolescência e da traição, através dos olhos de um rapaz de 13 anos - e do homem em que ele depois se tornou.



Confesso que estava um pouco de pé atrás por causa da sinopse que deixa algo a pairar no ar. Fiquei com medo que fosse algum livro sobre abusos ou maos tratos a crianças, mas a curiosidade levou a melhor e neste caso ainda bem.
Adorei a história, que se revelou muito melhor daquilo que esperava, afinal não há maus tratos nem abusos de ninguém, é simplesmente a história de um menino, que nos leva a pensar no tempo quando erámos crianças e na nossa inocência, pois a história é contada pelo menino.
É um daqueles livros que dá gosto ler, as personagens parecem reais, a história desenrola-se sem grandes preâmbulos, muito bom.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

A Mais Bela nas Alturas




Autor: Rui Vicente
Data de publicação: Junho de 2006
Editora: Edições ASA
Páginas: 173
ISBN: 972-41-4791-6


É de amor à primeira vista que se fala neste romance. Vasco, advogado, apaixona-se por Catarina, assistente de bordo, à entrada do avião que o traz de umas férias na Grécia para Lisboa. Era Setembro e ela sorria. Ele, decidido a não lhe perder o rasto, escreve-lhe ao chegar a casa. Ela, mais tarde, telefona-lhe e encontram-se. Mas tudo corre mal e a história de Vasco e Catarina parece acabar aí.
Porque o amor, seja lá ele o que for, é o mais intrigante dos mistérios, os nossos protagonistas hão-de reencontrar-se noutra altura, noutro lugar. E é um livro que ele escreve para ela, por a amar, que os vai reunir de novo.
Se fosse um filme, "A Mais Bela nas Alturas" seria certamente uma comédia romântica. Num estilo leve e refrescante em que o humor e a ternura estão sempre presentes, o autor encena o jogo da sedução como uma partida de xadrez em que, passo a passo, cada contendor, auxiliado pelos seus confidentes para as questões sentimentais, Afonso e Alexandra, procura antecipar o próximo movimento do antagonista e conquistar uma posição.
No fim, celebra-se o amor onde ele começou - à entrada de um avião.
Como se diz em dado momento da obra, a vantagem dos livros é que vivemos neles o que na vida falha.


Um livro que mais uma vez me desiludiu, ao ler a sinopse fiquei com a sensação de ser uma história de amor, mas quando o li fiquei a pensar que se era essa a intenção do autor é uma história de amor muito fraca e sem grande conteúdo, o início parece prometedor, mas à medida que a narrativa se desenrola, a coisa degrada-se e perde toda a magia inicial.



sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Almas Gémeas



Autor: Alan e Irene Brogan
Data de Publicação: Julho de 2010
Editora: ASA
Páginas: 255
ISBN: 978-989-23-0932-2


Alan e Irene conheceram-se num orfanato, nos anos 50. Ele tinha sete anos, ela tinha nove. Eram ambos sensíveis e solitários. Naquele meio hostil, tornaram-se inseparáveis. Mas a proximidade entre meninos e meninas não era bem vista e, embora se desdobrassem em cuidados e peripécias, o inevitável aconteceu: a inocente amizade foi descoberta. Alan foi levado para outro orfanato sem ter, sequer, direito a um adeus.
 Os anos passaram mas o laço entre eles nunca foi quebrado. Nas suas vidas - frequentemente difíceis, sempre solitárias - sabiam faltar algo. Sem saberem, frequentaram durante anos as mesmas lojas, o mesmo bairro… Até que, um dia, quarenta anos depois, Irene e Alan cruzaram-se casualmente na rua. Ambos souberam de imediato que nada nem ninguém voltaria a separá-los.
 Relato doloroso de abandono, crueldade e sobrevivência, Almas Gémeas é, acima de tudo, uma história espantosa que confirma uma verdade fundamental: o amor consegue vencer todos os obstáculos.


Bem o que chorei com este livro, e confesso que fiquei chocada pelo maneira como eram tratados nos orfanatos.
Se os tiravam aos pais dizendo que os pais não tinham condições para os criar, e então eles que nem sequer os preparam para quando tinham de sair de lá.
É um livro muito forte, cheio de sentimentos, por vezes tive de largar a leitura estava a ficar muito angustiada e ansiosa com as situações.
Mas por outro lado adorei a história de amor, que nos dias de hoje já é raro ver uma história de amor tão duradoura, e tão forte.
Um livro que desperta dois tipos de sentimentos amor e ansiedade.



quinta-feira, 3 de outubro de 2013

A Rapariga e o Espelho

Autor: Cecilia Ahern
Data de publicação: Julho de 2011
Editora: Editorial Presneça
Páginas: 102
ISBN: 978-972-23-4566-8



Da bem conhecida autora de P.S. - Eu Amo-te, este livro inclui dois contos tão sedutores quanto estranhos e originais. Entre a magia e o esplendor, com certo pendor nostálgico, não deixa de transmitir uma ironia ligeiramente perversa que mexe com as emoções do leitor.

 Lila nem quer acreditar na sorte que tem... Encontrou o homem dos seus sonhos e está prestes a casar com ele. Mas quando um segredo do passado da família é revelado, exatamente no dia do seu casamento, a sua vida muda da forma mais inesperada...

Estas pequenas história fizeram-me lembrar nas história de fadas e princesas que nos lê quando somos crianças, só tenho é pena de os finais serem um pouco dúbios sem grandes certezas.
Por outro também achei um livro bastante estranho para uma autora que consegue escrever romances tão emocionantes e sensíveis que me deixam a chorar o livro praticamente todo e depois sair-se com umas história destas que não parecem fazer muito sentido.
E eu que estava com uma enorme curiosidade em ler este livro, esperando que fosse como os que ela nos habitou.
Quero agradecer à minha amiga Clarinda do blogue Ler é Viver o empréstimo.



quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Os Doze




Autor: William Glastone
Data da publicação: Outubro de 2010
Editora: Pergaminho
Páginas: 262
ISBN: 978-972-711-955-4


Este romance extraordinário e inesquecível conta a história de Max, um herói invulgar que é lançado pelo destino numa viagem de descoberta do segredo por trás da antiga profecia Maia sobre o final dos tempos - previsto para 21 de Dezembro de 2012. Em criança, Max vivia isolado num mundo feito de padrões numéricos e cromáticos, e só começou a falar aos seis anos de idade. Aos quinze anos sofre uma experiência de quase-morte durante a qual tem uma visão que lhe revela os nomes de doze pessoas. Embora não consiga compreender o sentido desta revelação, Max sente que tem um significado profundo: todos Os Doze parecem estar ligados entre si e todos eles têm um papel a desempenhar no momento em que o mundo chegar ao fim. Através de várias aventuras espetaculares em Jerusalém, Atenas, Londres, Índia, Istanbul, China, Japão e México, vai sendo revelado aos leitores como Max e Os Doze cumprem a missão que o destino lhes reserva: descobrir o verdadeiro sentido da misteriosa data de 21 de Dezembro de 2012.
 Estará a antiga profecia Maia correta? Estará de facto próximo o fim do mundo tal como o conhecemos? Ou haverá um sentido oculto, mais profundo e misterioso, para esta profecia arcana? Combinando elementos do thriller, do romance iniciático e da literatura esotérica, Os Doze é um dos livros mais invulgares e cativantes dos últimos tempos.


Ao ler a sinopse deste livro fui levada a pensar que se tratava de uma história de aventura, mas não era bem assim, visto que eu estava à espera de uma aventura tipo Indiana Jones, e o resultado é um tipo diferente de aventura, uma mais espiritual.
Não gostei nem desgostei do livro, simplesmente tem uma escrita simples e fluída, não é maçador, uma leitura leve que dá para desanuviar.
E pensar que a data de que se fala no livro deu tanta celeuma e controvérsia nos meios de comunicação, e eu como sou do contra só li o livro depois de a data ter passado.



terça-feira, 1 de outubro de 2013

A Herança do Vazio

 
 



Autor: Kiran Desai
Data de publicação: Março de 2007
Editora: Porto Editora
Páginas: 413
ISBN: 978-0241-1434-83


Neste magnífico romance, vencedor dos Man Booker Prize 2006 e National Book Critics Circle Award, Desai como que cria uma tapeçaria em que todas as personagens partilham uma herança comum de impotência e humilhação. E, com uma mestria sublime, consegue, ao longo de toda esta poderosa saga familiar, deixar sempre em aberto um desfecho de esperança ou de traição.

No nordeste dos Himalaias, numa casa isolada no sopé do monte Kanchenjunga, vive Jemubhai, um velho juiz amargurado, que tudo o que quer é reformar-se em paz, na companhia da única criatura a quem é capaz de dar algum afeto, a sua cadela Mutt. No entanto, a chegada inesperada da neta órfã, Sai, abalará o seu sossego, obrigando-o a remexer as suas memórias e a repensar a sensação de estranheza na própria pátria.
 Tudo isto se acentuará com o romance entre Sai e Gyan, um nepalês que se envolve numa revolta que alterará inquestionavelmente a vida de Jemubhai.
A serenidade da vida do juiz contrasta com a existência do filho do seu cozinheiro, Biju, que saltita sucessivamente de restaurante em restaurante, em Nova Iorque, à procura de emprego, numa fuga constante aos Serviços de Imigração. Julgando que o filho leva uma vida boa e que acabará por vir resgatá-lo, o cozinheiro vai arrastando os seus dias.
Numa escrita inesgotavelmente rica e complexa, com rasgos de exotismo, a autora retrata temas tão atuais como a globalização, o colonialismo, o racismo, o abismo entre pobres e ricos e a imigração.



De início adorei a história, mas conforme a narrativa foi desenvolvendo, o que para mim não desenvolveu nada é tudo muito parado, cheio de mais do mesmo, parece uma eterna repetição, e então a coisa começou a arrastar-se.
Nos termos de vista a conhecer um pouco melhor como se passa as coisas entre os vários estratos da sociedade  indiana, é um bom indicador mas confesso que estava à espera de um pouco mais de acção, sem ser revoltas, greves, protestos, por vezes até parecia que estava a ler o roteiro de um telejornal de cá.
Penso que esperava mais um romance que a vida real romanceada.



domingo, 29 de setembro de 2013

O Grande Meaulnes




Autor: Alain-Fournier
Data de publicação: Abril de 1972
Editora: Europa-América
Páginas: 168
ISBN:


O Grande Meaulnes, obra de rara beleza formal, transporta-nos ao mundo trnasfigurado da adolescência,l em que o real e o imaginário poéticamente se fundem, reflectindo uma imagem exacta do maravilhoso que povoa os anseios da juventude. Livro sem par, nele se cristalizam os sonhos de uma mocidade que todos vivemos e perdemos, mas que vamos reencontrar ao lê-lo.

Confesso que trouxe este livro da biblioteca depois de uma amiga me ter falado maravilhas acerca dele, mas com muita pena minha para mim foi um suplício lê-lo, achei-o estranho uma história sem fazer muito sentido.
Achei as personagens pouco convincentes e muita estranhas.
A verdade é que nem sei muito bem o que escrever pois o livro não disse nada, estive lê-lo sempre na esperança de que a coisa mudasse mas não resolveu de nada.

sábado, 28 de setembro de 2013

Escuta a Minha Voz




Autor: Susana Tamaro
Data de publicação: Outubro de 2006
Editora: Editorial Presença
Páginas: 156
ISBN: 972-23-3649-5


Continuação do Best Seller Vai Aonde Te Leva o Coração
Susanna Tamaro é autora de vários bestsellers e aclamada em todo o mundo. Desde a publicação de Vai Onde Te Leva o Coração, que os leitores se habituaram às histórias fascinantes e envolventes da autora que faz questionar a vida e a própria existência, de uma forma pacífica e cativante.
 Em Escuta a Minha Voz, Susanna Tamaro retoma a marcante recordação do dia em que a árvore do quintal da casa onde vivia em criança foi cortada, arrancada e dilacerada. Ao longo deste romance, a autora ressuscita as personagens de Vai Onde Te Leva o Coração dando-nos conta da importância que as raízes familiares têm para a formação do ser humano bem como para o seu crescimento. Um surpreendente e emocionante regresso de uma das autoras mais aguardadas pelos leitores do mundo inteiro.



Um livro intenso cheio de emoções fortes que levam a personagem numa constante busca por si própria e pelas suas raízes, descobrindo que muitas vezes aquilo que pensava que tinha acontecido de uma certa forma, afinal se tinha passado de uma forma totalmente diferente.
Eu não sabia mas já o tinha lido há uns anos atrás, mas confesso que nessa altura não percebi nada, pois não sabia que se tratava de uma continuação do "Vai aonde Te leva o Coração", e dessa maneira não consegui situar a maior parte da conversa interior da personagem.
Agora já foi mais fácil compreender, mas confesso que é um livro em que certas partes resuma uma espécie de ódio que, pelos menos a mim me fez parar para respirar, pois o que estava a ler é muito forte.
Não gostei tanto como do anterior, mas mesmo assim achei bom.

domingo, 22 de setembro de 2013

Fogo Lento




Autor: Julie Garwood
Data de Publicação: Outubro de 2009
Editora: Círculo de Leitores
Páginas: 286
ISBN: 978-972-42-4531-7


Kate Mackenna sempre se mostrou capaz de transformar os seus desafios em triunfos. Mas agora parece que o destino conspira contra ela...
Depois de escapar quase ilesa a uma explosão no jardim de uma amigo, Kate recebe a notícia de que pode perder a sua pequena, mas promissora empresa. Quase de imediato é ameaçada por um pretendente de sua irmã mais nova, toma conhecimento de que a sua melhor amiga vai ser submetida a uma delicada operação cirúrgica, apaixona-se por um homem que considera incapaz de a fazer feliz e descobre que há muita gente que a quer ver morta. Porém, graças à sua inesgotável força interior, não serão estes acontecimentos trágicos que a impedirão de alcançar os seus objectivos.


Este livro foi a minha estreia com esta autora e confesso que gostei, é mais uma autora a seguir.
O livro onde uma série de acontecimentos se desenrola logo de início, e sempre com mistério, suspense, aventura, claro como não podia faltar amor, com uma escrita simples mas apelativa, deixa o leitor preso logo no início.
Um livro pequeno, mas grande em conteúdo.



sábado, 21 de setembro de 2013

As Mulheres Casadas não Falam de Amor

 
 
 
Autor: Melanie Gideon
Data de Publicação: Abril de 2013
Editora: Suma de Letras
Páginas: 459
ISBN: 978-989-672-172-5
 

Alice está casada com William há vinte anos. Recorda-se, como se fosse ontem, do dia em que o conheceu. No entanto, ultimamente, é ao Facebook, e não ao marido, que confia os seus pensamentos mais íntimos.
 Um dia, recebe um questionário anónimo sobre amor e casamento da parte de um Investigador 101. Decide responder, sob o pseudónimo Mulher 22, sem imaginar que isso mudará a sua vida.
 Confissão após confissão, Alice sente-se cada vez mais livre e também mais apaixonada pelo Investigador 101, genuinamente interessado nos seus sentimentos como há muito ninguém estava. Alice não tarda a ver-se confrontada com uma decisão potencialmente devastadora: cessar toda a comunicação com o Investigador 101 para salvar o casamento ou admitir que o coração lhe levou a melhor e está novamente apaixonada.

 Com uma voz fresca, comovente e divertida, As Mulheres Casadas Não Falam de Amor é a história de uma mulher que, tentando reencontrar-se, corre o risco de descobrir que, afinal, quer estar onde sempre esteve.


Uma história divertida e cheia de peripécias onde o que parece nem sempre o é.
Um que se lê muito bem pois está escrito de forma simples e fluída, e da cada vez que se vira uma página estamos sempre atentas ao que se irá passar.
embora tenha muitas páginas não é enfadonho nem maçador é realmente divertido e o final, é assombroso.

sábado, 14 de setembro de 2013

A Estalagem de Rose Harbour

Autor: Debbie Macomber
Data de Publicação: Abril de 2013
Editora: Editorial Presença
Páginas: 303
ISBN: 978-972-23-5039-6


Depois da morte do marido no Afeganistão, Jo Marie Rose procura refúgio em Cedar Cove, uma pequena cidade acolhedora à beira-mar. Decide comprar uma estalagem com uma vista encantadora e repousante e aí iniciar uma nova vida, repleta de paz. Mas esta nova vida reserva-lhe mais surpresas e agitação do que esperava, com a chegada dos seus primeiros hóspedes, Joshua Weaver e Abby Kincaid. Ambos oriundos de Cedar Cove, mas afastados há muitos anos por diferentes motivos, vão encontrar na Estalagem de Rose Harbor um porto seguro, onde conseguirão enfrentar o passado, sarar as feridas e reconciliar-se com os próprios medos, revoltas e desilusões.

Assim que vi a capa do livro pensei este tenho de lê-lo, é que nem sequer li a sinopse, foi uma coisa instantânea assim que vi a capa achei que o conteúdo se condisse-se com a capa era bom.
E ainda bem que assim foi, pois a história é linda, muito comovente e cheia de esperança, com um final bastante satisfatório.
Adorei a Marie Rose e a sua coragem para continuar em frente, quando a maioria das pessoas desiste de lutar.
Quando o acabei dei por mim a quer ler mais, e pensei foi curto, podia ter mais páginas,lol.
Leiam pois não se vão arrepender.

domingo, 1 de setembro de 2013

A Cidade Invisível

Autor: Emili Rosales
Data de Publicação: Outubro de 2006
Editora: Difel
Páginas: 264
ISBN: 972-29-0814-6


O sonho da vida de um Rei…
Um mistério que a História não resolveu…
 O proprietário de uma galeria recebe, de mãos anónimas, um memorial do século XVIII que esconde o emocionante relato dos planos do rei Carlos III de Espanha para criar uma enorme cidade no delta do Ebro, à imagem de São Petersburgo.
 Esta narração conflui na actualidade com a busca de um quadro perdido do último grande mestre da pintura italiana, Giambattista Tiepolo, e a necessidade do protagonista em ajustar contas com o próprio passado.
 A Cidade Invisível é um romance de aventura pessoal e de mistério histórico que tem como pano de fundo uma inconfessável história de amor. Do presente violento ao século XVIII; de São Petersburgo, Nápoles ou a corte ilustrada de Carlos III em Madrid ao delta do Ebro de hoje, o leitor viaja sem tréguas pelos diversos cenários onde três enigmas têm encontro marcado.
 Emili Rosales transforma um episódio pouco conhecido, e que poderia ter mudado o decurso da História, num romance fascinante, vencedor do Prémio San Jordi 2005, que é já um enorme sucesso em Espanha e em vários países da Europa.


Assim que li a sinopse pensei que grande livro, deve ser daqueles mesmo interessantes.
Mas assim que comecei a ler a coisa foi-se arrastando, por mais que tentasse não conseguia ter interesse nenhum no livro a história parecia que não passava do mesmo, sempre parada sem grande acção.
Mas sempre com esperança que as coisas mudassem, continuei a ler, e só mesmo na recta final é que finalmente o livro que começou a despertar interesse e comecei a gostar daquilo que estava a ler, não sei se será defeito do livro, ou serei eu, o facto é que não gostei.

 



quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Desculpa, mas vou Chamar-te Amor

Autor: Federico Moccia
Data de Publicação: Setembro de 2010
Editora: Contraponto
Páginas: 549
ISBN: 978-989-666-032-1


Niki é uma rapariga linda, extrovertida, inteligente e simpática. Tem 17 anos, e tanto ela como as suas amigas estão no último ano do secundário. O seu dia-a-dia é pautado por desfiles, festas e raves, entre outras diversões. Alex é um «rapaz» com quase 37 e acabou há pouco tempo uma relação de longa data. Tem três grandes amigos, Enrico, Flávio e Pietro, que são casados. Alex ocupa um cargo importante na área da publicidade, mas um jovem oportunista contratado recentemente pela sua empresa põe em risco o seu emprego. Certa manhã, Niki e Alex têm um encontro, ou melhor, um desencontro - um desencontro que vai mudar tudo. Esta linda história de amor reflecte a vontade de reencontrar a liberdade e o desejo de nutrir sentimentos verdadeiros, de amar sem regras nem porquês. Retrata o quotidiano, mas também o sonho, a fuga mais bela, mais louca, mais inesperada: uma fuga de amor. E, depois, aquele farol… Enfim, é um mergulho onde o mar é mais azul!


Bem mais um livro deste autor que gostei, a maneira como escreve deixa-nos logo agarrados de início.
E ao longo de todo o livro vamos descobrindo cada vez mais coisas acerca dos personagens e há sempre algo a acontecer de maneira que a narrativa nunca perde ritmo.
é uma história ao mesmo tempo engraçada, divertida, com amor, ciúmes, traição, aventuras e até um pouco de suspense.
Agora só me resta saber o que me espera na continuação.



sexta-feira, 23 de agosto de 2013

A Escolha do Coração

Autor: Amanda Brooke
Data de Publicação: Junho de 2012
Editora: Quinta Essência
Páginas: 292
ISBN: 978-989-7260-06-3


Os recém-casados Holly e Tom acabaram de se mudar para uma casa antiga na pitoresca Inglaterra rural. Quando Holly descobre um relógio lunar num jardim cheio de ervas, e o seu estranho mecanismo de cristal, está longe de suspeitar que ele vai mudar a sua vida para sempre. Pois o relógio lunar tem uma maldição. A cada lua cheia, Holly consegue ver o futuro - um futuro que contém Tom a embalar a filha bebé de ambos, Libby, e a chorar a morte de Holly no parto… Holly percebe que o relógio lunar está a oferecer-lhe uma escolha desesperada: dar a Tom o bebé que ele sempre quis e sacrificar a sua própria vida; ou salvar-se e apagar a vida da filha por quem se apaixonou.

É um livro que cativa logo desde o início, pois a escrita é simples e fluída e a história é muito bonita e cativante, tocante e sensível.
Uma história com muito amor, mistérios e segredos. As dúvidas de Holly são muito prementes e damos por nós a torcer para que a história tenha um determinado rumo.
Certas partes são de levar lágrimas aos olhos.
Adorei, é muito lindo.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Vai Aonde Te Leva o Coração

Autor: Susana Tamaro
Data de Publicação: Outubro de 2006
Editora: Editorial Presença
Páginas: 118
ISBN: 972-23-1934-5


Livro sensação, livro de descoberta ou de redescoberta e por isso mesmo livro não alheio à diversidade de reações. Através de um registo em que três gerações de mulheres dialogam, numa voz que reconta as suas vidas, Susanna Tamaro serve-se dessa estrutura narrativa para confrontar os diferentes tempos vividos e reavaliar este ciclo geracional. A leitura deste livro é enleante, quase hipnótica, comovente, o que justifica talvez o seu imenso sucesso internacional.

Bem já tinha lido este livro faz muitos anos, mas agora voltaram a emprestar-mo, pois falaram-me que tinha continuação e eu nem sabia, e como já nem me lembrava do que o livro tratava li-o.
E só me lembra que quando o li pela primeira vez achei um livro muito ternurento e emocional.
E agora desta vez não foi diferente, logo no início quando fala de como o cão foi escolhido chorei, eu sou uma madalena quando se trata de animais.
E por vezes revi-me um pouco naquilo que a avó escrevia e pensava que nós somos assim, que só damos valor as coisas quando as perdemos...
Acho que me sendo um livro pequeno não deixa de ser um grande livro.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

O Jogo do Anjo

Autor: Carlos Ruiz Záfon
Data de Publicação: Outubro de 2008
Editora: Dom Quixote
Páginas: 568
ISBN: 978-972-20-3707-5


Na Barcelona turbulenta dos anos 20, um jovem escritor obcecado com um amor impossível recebe de um misterioso editor a proposta para escrever um livro como nunca existiu a troco de uma fortuna e, talvez, muito mais.
Com deslumbrante estilo e impecável precisão narrativa, o autor de A Sombra do Vento transporta-nos de novo para a Barcelona do Cemitério dos Livros Esquecidos, para nos oferecer uma aventura de intriga, romance e tragédia, através de um labirinto de segredos onde o fascínio pelos livros, a paixão e a amizade se conjugam num relato magistral.


Ai nem sei que dizer achei o livro tao, mas tão estranho. Como tinha lido o anterior e tinha adorado fiquei a pensar que com este ia ser o mesmo.
Mesmo quando cheguei ao fim não consegui perceber afinal quem era o patrão, se era bom ou mau, se tudo o que aconteceu, as mortes, etc foram provocadas por ele para apanhar o Daniel ou não.
Mas uma coisa confesso fiquei rendida logo nas primeiras páginas e mesmo sem conseguir compreender o porquê daquela personagem, nem se Daniel sonhou com aquilo tudo, se o escreveu se foi ele que fez tudo, não consegui largar o livro senão quando o acabei.
Gostei, mas mesmo assim acho que falta algo para me fazer compreender um pouco melhor a história.



quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Os Ingredientes do Amor

Autor: Nicky Pellegrino
Data de Publicação: Junho de 2010
Editora: Edições ASA
Páginas: 334
ISBN: 978-989-23-0849-4



A receita para a vida devia ser simples: amor, família, amigos, saúde e uma boa dose de delícias gastronómicas. Mas a vida raramente é simples. Alice sabe também como ela pode ser frágil, por isso quer desfrutá-la ao máximo… e nunca se sente tão viva como quando está a cozinhar. Por seu lado, Babetta passou a vida a cuidar da família. Mas agora os filhos já cresceram e seguiram os seus próprios caminhos, deixando-a só na sua pequena casa junto à costa italiana.
 Um Verão, as vidas destas duas mulheres vão unir-se numa pequena aldeia no Mediterrâneo, sob a linguagem comum da comida e do amor pela terra. Vai ser aí, sob o calor do sol italiano, ou a sombra da romãzeira, que segredos serão desvendados, e medos e esperanças partilhados. Mas as lições da vida nem sempre são fáceis de aprender…
Nicky Pellegrino está de volta com um romance de fazer crescer água na boca e inspirar os corações mais obstinados.


Bem este livro é daqueles que temos de ter cuidado quando o vamos ler, pois da maneira como a autora fala de comida ao longo de todo o livro somos levadas a comer e a ficar com vontade de ir comer.
Achei uma história um pouco triste, pensei que fosse uma coisa mais alegre mais movimentada, mas a história por vezes parece arrastar-se, ou a mim me pareceu, fiquei com vontade de ir morar para uma vila em Itália, a autora sabe descrever as paisagens, fazendo-me lembrar as descrições das paisagens nos livros da Elizabeth Alder.
Adorei aquela tranquilidade que aprecia emanar da vila, que o tempo lá passava de outra maneira, uma pessoa fica a sentir-se indolente e cheia de preguiça com vontade de passar o resto do dia estiraçada sem nada fazer a não ser ler e ver o tempo passar como a velha Babetta.
A velhota foi a minha preferida durante todo o livro, parece que dela vinha uma sabedoria e uma calma que fazia falta aos outros todos, pois pareciam estar sempre ou a fugir de algo ou à procura de algo.



quarta-feira, 14 de agosto de 2013

O Diário de Bridget Jones

Autor: Helen Fielding
Data de Publicação: Novembro de 2001
Editora: Editorial Presença
Páginas: 286
ISBN: 972-23-2322-9


Um romance de surpreendente projecção internacional galardoado com o British Book Award de 1998. Através de uma escrita simultaneamente lúcida e divertida, um retrato fiel da mulher dos anos 90 que tem suscitado admiradores em todo o mundo.


Bem depois de tanto ter ouvido falar do livro e ter visto partes do filme, confesso que ainda não o vi todo de início ao fim, pensava que fosse uma coisa mais substancial.
Mas saiu-me uma leitura leve, e agradável mas sem nada de especial. Por vezes vontade não me faltava de dar uns valentes estalos na Bridget, por conseguir ser tão parva que até mete impressão, e não conseguir fazer as coisas sem ser para se mostrar.
Mas pronto, confesso que ainda dei umas valentes gargalhadas, só de pensar que tenho a continuação para ler, dá-me arrepios, mas já agora vou ler só por curiosidade e poder comparar se será melhor ou pior que o inicial.



quarta-feira, 7 de agosto de 2013

A Intriga do Anel de Esmeralda

Autor: Lauren Willig
Data de Publicação: Janeiro de 2008
Editora: Civilização Editora
Páginas: 381
ISBN: 978-972-26-2566-1


Uma perigosa rede de espiões, um jogo de identidades trocadas e um romantismo sem igual.
Inglaterra, 1803. Letty Alsworthy acorda a meio da noite e descobre que a irmã, Mary, se prepara para cometer o grave erro de fugir com Geoffrey Pinchingdale-Snipe. Numa tentativa de salvar o nome da família, Letty tenta impedir a fuga nocturna, mas acaba por ser acidentalmente levada em lugar da irmã. O escândalo subsequente obriga Letty e Geoff a um casamento apressado. Geoff desaparece na noite de núpcias, cumprindo ordens para viajar com urgência para a Irlanda e ajudar o Cravo Cor-de-Rosa a esmagar um círculo de rebeldes irlandeses liderados por Túlipa Negra. Letty, armada e pronta a lutar pela sua integridade, parte num navio rumo à Ilha Esmeralda, disposta a aprender a ser espia - sem imaginar que irá também aprender alguma coisa sobre o amor…



Mais uma vez um livro entusiasmante, cheio de intrigas, suspense, aventuras e muitas gargalhadas pelo meio.
Mas fiquei muito aborrecida por ter levado uma semana para o ler, pois como estava muito cansada e muito calor, deixo-me dormir com facilidade, e depois era sempre poucas a páginas que leia de um dia para o outro.
Outra coisa sempre me disseram que esta série era uma trilogia, mas o final deste que é o último, deixa muito a desejar, pois ficou muita coisa em aberto, acerca das personagens tanto das actuais como das do tempo de Bonaparte, que me fez duvidar se a autora ficará realmente por aqui.
Mais uma vez conhecemos um novo par amoroso, que se vai dando a conhecer ao longo da narrativa, e que também vai descobrindo os seus sentimentos um pelo o outro.
É daqueles livros em que quando se começa a ler, não se consegue parar, e quando se tem de parar e não se chegou ao fim, até lhe voltarmos a poder pegar novamente é uma tortura, pois estamos constantemente a pensar o que se irá passar a seguir e que novas aventuras nos aguardam.



sexta-feira, 2 de agosto de 2013

A Culpa é das Estrelas






Autor: John Green
Data de Publicação: Setembro de 2012
Editora: Edições ASA
Páginas: 255
ISBN: 978-989-23-2094-6



Apesar do milagre da medicina que fez diminuir o tumor que a atacara há alguns anos, Hazel nunca tinha conhecido outra situação que não a de doente terminal, sendo o capítulo final da sua vida parte integrante do seu diagnóstico. Mas com a chegada repentina ao Grupo de Apoio dos Miúdos com Cancro de uma atraente reviravolta de seu nome Augustus Waters, a história de Hazel vê-se agora prestes a ser completamente rescrita.

PERSPICAZ, ARROJADO, IRREVERENTE E CRU, A Culpa é das Estrelas é a obra mais ambiciosa e comovente que o premiado autor John Green nos apresentou até hoje, explorando de maneira brilhante a aventura divertida, empolgante e trágica que é estar-se vivo e apaixonado.



Um livro intenso que não nos deixa indiferentes, já não é o primeiro livro que leio sobre esta temática, e dou por mim tão embrenhada no livro que até sou capaz de sentir as dores que as personagens estão a descrever que sentem.
O final deixou-me com a dúvida se haveria continuação, pois parece-me ter ficado como que em suspenso, e nunca pensei que houvesse aquela reviravolta.
O final é tão mas tão sentido que chorei baba e ranho literalmente, até tive de largar o livro respirar fundo e depois voltar a epgar nele, é um livro que se deve ler com muita concentração  e de ânimo leve.
Ao longo de todo o livro vamos conhecendo aos poucos a vida díficil de cada um dos personagens, e que nos deixa a pensar que embora seja ficção há relamente pessoas que passam pelo que é descrito no livro, e nós qaundo temos qualquer contrariedade lamentamo-nos como se fosse o fim do mundo, se tivessémos de passar pelo que os protagonistas passaram que diríamos.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

A Profecia de Aurobon



Autor: Steve Voake
Data de Publicação: Sertembro de 2008
Editora: Editorial Presença
Páginas: 220
ISBN: 978-972-23-4016-8



Sam Palmer, um rapaz solitário fascinado por insectos, é atingido por um carro enquanto andava de bicicleta imediatamente abrindo-se diante dele o caminho para uma realidade paralela. Esse mundo tem o nome de Aurobon e é povoado por uma série diversificada de insectos utilizados enquanto máquinas de guerra para libertarem o planeta terra de humanos através de um vírus mortal transmitido por mosquitos. Com a ajuda de Skipper, uma rapariga piloto viciada em adrenalina, Sam terá de lutar contra forças maléficas, fugir dos insectos do tamanho de aviões militares e encontrar o caminho para casa. Ele, acima de tudo, representa o salvador dos dois mundos cumprindo a profecia que lhe estava reservada. Uma obra original, com bom ritmo e boa construção das personagens de um autor dedicado a tempo inteiro à escrita.



Bem um livro fabuloso no que toca a imaginação, é que nunca me tinha passado pela cabeça pilotar um moscardo ou vespa, com cockpit incluído e tudo.
O início do livro é um pouco confuso e deixa um pouco o leitor de pé atrás, mas assim que se começa a ler e a entrar aos poucos na história a coisa começa a ser divertida, e faz-nos lembrar aqueles contos de fadas malucos, não os ditos normais.
Achei imensa piada, às civilizações minúsculas que pilotam os insectos e a sua guerra, e os diferendos entre eles.
Adorei o final tão lindo e enternecedor.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

O Mercador de Livros Malditos



Autor: Marcello Simoni
Data de Publicação: Sertembro de 2012
Editora: Clube Do Autor
Páginas: 377
ISBN: 978-989-224-029-4


Não é comum um livro reunir o consenso da crítica e dos leitores, mas O Mercador de Livros Malditos conquistou uns e outros. Mais: ambos afirmam que se trata de uma das mais interessantes estreias dos últimos anos.
O Mercador de Livros Malditos é uma história envolvente, marcada por intrigas, segredos ocultos durante séculos e mistérios que vão para lá do conhecimento de sábios e de alquimistas.
Ao longo das suas páginas o leitor viaja por Itália, França e Espanha no rasto do Uter Ventorum, um livro raro, desmembrado em quatro partes e protegido por intrincados enigmas que, uma vez resolvidos, permitem evocar os anjos e a sua divina sabedoria.



Bem este livro fez-me pensar muitas vezes num livro que li faz alguns anos, "Revelação" de C. J. Sansom, pois é do mesmo género, ficámos presos logo desde o início à narrativa.
O suspense, segredos e mistérios são uma constante ao longo de todo o livro.
Só não percebi no final que raio foi que aconteceu aquando da união de todas as peças do livro e da invocação, fiquei um pouco à nora.
Outra coisa que fiquei com dúvidas foi se o livro faria parte de alguma sequela, visto o final dar um ar de que ficou algum não resolvido, pelo menos foi com essa impressão que fiquei.
Resumindo gostei muito e como também ao longo da trama fomos descobrindo de cada vez um pouco mais sobre as personagens e a escrita é simples e fluída.
Recomendo vivamente.
Mais não digo para não estragar o entusiasmo a quem ainda não leu.

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Amor em Minúsculas



Autor: Francesc Miralles
Data de Publicação: Julho de 2009
Editora: Contraponto
Páginas: 237
ISBN: 978-989-666-011-6



Samuel vive fechado na solidão de seu apartamento, do qual só sai para dar aulas. Mas esse mundo isolado que construiu começa a desabar no dia em que um gato aparece à sua porta. O felino levará Samuel até Titus, um redator que lhe ensinará instimáveis lições de vida, que o leva a reencontrar Gabriela, um amor de infância. É o início de uma aventura de revelações surpreendentes.


Este livro foi como uma aventura, pois já tinha lido um outro do mesmo autor e depois da satisfação inicial achei que a narrativa se arrastava e chegava mesmo ao ponto de chatear. Então comecei a ler este cheia de cautelas, e de início foi maravilhoso adorei, a escrita era fluída e narrativa também avançava, mas praticamente do meio do livro para a frente a coisa começou novamente a arrastar-se, dava a sensação que o autor não sabia como preencher a narrativa e ia arranjando mais coisas só para encher e a narrativa não andava estava estagnada.
Mas este livro para mim tem um resultado mais positivo, pois neste ao longo da narrativa vamos aos poucos conhecendo os segredos e parte do passado das personagens.
E como a história mete um gato eu sou suspeita uma vez que adoro gatos.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Desejos do Coração

Autor: Jude Deveraux
Data de Publicação: Maio de 2012
Editora: Quinta Essência
Páginas: 400
ISBN: 972-8839-57-X



Gemma Ranford quer tanto obter o emprego oferecido para catalogar os documentos de uma das famílias mais antigas de Edilian, a família Frazier, que está disposta a lutar por ele. Fascinada por História e desesperada por terminar a sua tese de dissertação, Gemma acredita que aqueles papéis lhe fornecerão novas informações essenciais para imprimirem novo fôlego à sua investigação. O que ela não espera encontrar são as repetidas referências à Pedra dos Desejos do Coração, um talismã mágico que, reza a lenda, concederá desejos a quem detenha o apelido Frazier. Se algo tão poderoso caísse nas mãos erradas, toda a família poderia ficar em perigo - mas, à semelhança da maioria das pessoas, Gemma considera que não passará de um mito. No entanto, à medida que vai passando mais tempo com a família, apercebe-se de que os desejos mais secretos de todos os Frazier estão, lentamente, a tornar-se realidade - e que ela, entretanto, está a apaixonar-se perdidamente pelo filho mais velho da sua empregadora, Colin. O problema é que Gemma não é a única a ter reparado que os poderes mágicos da pedra despertaram... e há um ladrão internacional à espreita. Trabalhando em conjunto, Gemma e Colin terão de encontrar a pedra antes que esta possa ser usada contra a família, mas não o farão sem que cada um dos seus desejos mais profundos tenha sido descoberto...



Já faz algum tempo que li o livro anterior a este e no início confesso que a minha cabeça era uma confusão de nomes que não conseguia relacionar, mas aos poucos conforme fui avançando na leitura fui-me lembrando do que tinha acontecido e comecei a relacionar os nomes com as personagens certas.
E tal como o anterior adorei, a escrita da autora é simples, fácil de ler e fluída, e sabe deixar-nos em pulgas para saber o que se irá passar a seguir.
Á media que a narrativa ia evoluindo dei por mim a torcer pela Gemma, mesmo já desconfiando de qual seria o final.
Ler estes livros dá-nos, pelo menos a mim uma felicidade para a alma muito boa, e quando chegamos ao final ficamos radiantes com aquele calorzinho do coração, e torna-se difícil de começar outra leitura, visto não ser assim tão calorosa.
As personagens vão mostrando as suas facetas e os seus segredos ao longo de todo o livro, quando se aproxima o final é uma cascata de segredos.



domingo, 14 de julho de 2013

A Filha do Mar

Autor: Elizabeth Gilbert
Data de Publicação: Março de 2011
Editora: 11/17
Páginas: 456
ISBN: 978-989-8228-99-4



Em Fort Niles e Courne Haven, duas ilhas remotas da costa do Maine, os pescadores de lagosta locais lutam, há gerações, pelo direito a pescar no mar que os separa. Ruth Thomas nasceu no meio desta disputa, filha de um dos mais gananciosos pescadores de Fort Niles.
Aos 18 anos, Ruth regressa a casa do colégio interno, determinada a ignorar a sua educação e a tornar-se pescadora de lagosta, como filha do mar que é. Porém, acaba por se apaixonar por Owney Wishnell, um jovem e atraente pescador da ilha rival, o que irá transformar profundamente as vidas dos habitantes das duas ilhas.



Realmente quando li a sinopse e fala que o livro é um romance fiquei toda entusiasmada, mas a verdade é que logo no início não me conseguiu prender, e foi um pouco custoso continuar a leitura, pois o livro tratava sempre do mesmo a pesca da lagosta e as rivalidades que existiam por causa dela entre duas ilhas e respectivos habitantes.
E eu sempre à espera que as coisas mudassem, só melhorava quando envolvia a vida da vizinha, mas mesmo assim achei um pouco fraco, para um tão apregoado bestseller.
Quando finalmente a coisa começa a mudar mais perto do final e parece estar a ficar interessante, é quando acaba e antes de acabar passam uma série de anos assim de supetão, quando estivemos uma série de tempo , ou seja a maior parte da narrativa sempre na mesma altura, praticamente nem se dando por ele passar.

sábado, 13 de julho de 2013

O Salão Dourado


Autor: Rebecca Kohn
Data de Publicação: Abril de 2006
Editora: Saída de Emergência
Páginas: 276
ISBN: 972-8839-57-X


A história bíblica da Rainha Ester — cuja beleza apenas era igualada pela sua sabedoria — inspirou as mulheres ao longo de séculos. Capturando as paixões e o perigo da política que tornaram o legado de Ester tão intemporal, O Salão Dourado revela uma pesquisa meticulosa e leva-nos às profundezas do Império Persa.

Orfã e aterrorizada, Ester começa uma nova vida com o seu primo, um homem bem posicionado na corte, a quem está prometida. Mas é na luxúria do harém real que se torna mulher. Ester procura conquistar o coração do Rei Xerxes e a libertação do seu povo. Mas a sua ascenção ao trono tem um preço: terá que voltar as costas a tudo o que alguma vez desejou, e entregar o corpo a um homem que nunca poderá amar.



Eu gosto muito de romances históricos e se ainda por cima forem inspirados em personagens bíblicas ainda melhor.
Então comecei a ler este livro muito entusiasmada, e confesso que a maior parte do livro adorei, ficar a conhecer um pouco mais sobre os costumes e usos daquela época.
E a narrativa tinha sempre algo diferente a mostrar, algum aspecto mais do qual não estávamos à espera.
Mas confesso que quando cheguei mesmo à parte final foi um pouco frustrante devido ao final não ser aquilo que se pressagiava pelos anteriores acontecimentos, mas a verdade é que tudo estava muito diferente no início, até as atitudes do rei pareciam ter perdido o tento!
Desde que houvera o atentado tudo ficou de pernas para o ar embora Ester tentasse chamar o rei de volta à sua antiga glória.
Mesmo assim esperava um final diferente, embora ache que Ester adorou ver-se livre do palácio e do que isso significava na sua vida.
As personagens são bem documentadas e aos poucos vão deixando-se conhecer aos nossos olhos. Temos uma grande "visão" do interior do palácio e da vida das concubinas e até da própria rainha, que parecem não passar de meros brinquedos para o contento e satisfação do rei.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Corpo de Delito


Autor: Patricia D. Cornwell
Data de Publicação: Setembro de 1998
Editora: Editorial Presença
Páginas: 319
ISBN: 972-23-2343-1

Após o êxito de Post-Mortem, surge agora mais um romance policial da autoria de Patricia Cornwell a integrar a colecção Fio da Navalha inaugurada em Maio deste ano. Uma grande senhora do policial contemporâneo num livro com a marca da excelência.


Este livro foi uma grande surpresa, como trata de crimes violentos pensei que não fossem gostar, mas não sei se é das personagens se é da escrita da autora, acho que fiquei viciada nestes livros.
O livro faz-nos dar umas valentes gargalhadas como quando o tenente Marino fala o homem diz com cada uma que dou por mim a rir à gargalhada, e depois faz-nos sentir ameaçados quando o assassino começa a rondar e a ameaçar a Drª Scarpetta, por mais que desconfiei de uma personagem ao longo de quase todo o livro em como era o assassino, tal como no livro anterior não acertei.
Não sei explicar mas gostei mais deste livro que do anterior, embora me pareça que a escrita da autora se manteve igual nos dos livros.
E como há muito tempo que não tenho visto televisão é como se tivesse a ver um episódio da série CSI.

domingo, 30 de junho de 2013

O Segredo dos Médicis

Autor: Michael White
Data de Publicação: Junho de 2009
Editora: Casa das Letras
Páginas: 268
ISBN: 978-972-46-1879-1





Na cripta da Capela dos Médicis, em Florença, a paleopatologista Edie Granger e o seu tio, Carlim Mackenzie, estão a examinar os despojos mumificados de uma das famílias mais poderosas da Itália do Renascimento.
Os embalsamadores fizeram bem o seu trabalho em termos de aspecto exterior. Mas, debaixo da pele quebradiça, os órgãos encolheram até uma fracção do seu tamanho original, o que significa que é difícil recolher uma amostra utilizável de ADN. Tanto Edie como Mackenzie têm sérias dúvidas quanto à verdadeira identidade de pelo menos dois dos corpos com quinhentos anos. E ninguém consegue explicar a presença de um objecto estranho descoberto alojado junto à coluna vertebral de Cosimo de Médicis. Para Carlim Mackenzie esta é a mais fascinante e a mais perigosa descoberta da sua vida. Para Edie, é o começo de uma procura obsessiva e que põe em risco a sua vida.
Com todas as peripécias espectaculares que fizeram de Equinócio o grande êxito internacional que foi, O Segredo dos Médicis mistura passado e presente, pistas crípticas e uma ameaça constante para dar origem a um romance policial que não deixa de nos prender em momento algum.


Já faz algum tempo que li este livro,mas como tenho andado cheia de dor de dentes nem tenho tido disposição para escrever.
Por isso também tenho levado muito tempo a ler os livros e este por um lado gostei dele, mas por outro deu-me sensação que podia ter sido melhor e não tão maçador em certas partes.
Toda a caça digamos assim pelas pistas e o decifrar das pistas pareceu tudo muito bem, mas a descrições podiam ser menos extensas, pois quem não conhece fica com uma ideia menos clara daquilo que o autor descreve.
Ao longo da história vamos conhecendo algo acerca das personagens mas é muito pouco e ficamos sempre com certas dúvidas que nunca se dissipam.
Confesso que acho que faltam algo ao livro ou então sou eu que agora ando constantemente insatisfeita.
Não sei explicar o que sei é que quando li a sinopse entusiasmei-me e pensei que era um livro muito bom, e depois quando o li não achei nada disso.

sábado, 15 de junho de 2013

Post-Mortem


Autor: Patricia D. Cornwell
Data de Publicação: Maio de 1998
Editora:Editorial Presença
Páginas: 317
ISBN: 972-23-2294-x


Primeira obra da autora, que desde logo se tornou num bestseller mundial, Post-Mortem tem por heroína Kay Scarpetta, uma mulher detective ligada ao FBI que tenta encontrar um assassino que violenta sadicamente sucessivas mulheres sem que nenhum aspecto comum as una, excepto o facto de todas elas serem torturadas aos sábados de manhã. Contudo a eficácia profissional de Kay Scarpetta nem a todos agrada uma vez que o seu protagonismo não é bem visto num mundo eminentemente masculino.
De eficácia profissional inversamente proporcional à sua felicidade pessoal, a heroína deste romance integra muitas das características que constituem também a sua própria autora. Kay, uma mulher atraente com cerca de 40 anos, é divorciada e mantém uma relação tumultuosa com um agente do FBI casado e com filhos, o que lhe traz alguma intranquilidade atendendo à sua educação católica. Sentindo-se frequentemente culpada quando em situações de stress recorre ao álcool e ao tabaco, Kay define-se também através de Lucie, a sua jovem e peculiar sobrinha. Amante do desporto, sobredotada e com tendência para o envolvimento em relações homossexuais, Lucie permite a Patricia Cornwell transmitir ao longo da narrativa mensagens sobre a liberdade de pensar, agir e amar.



Humm....
Mais uma estreia e desta vez dei por mim agarrada às páginas do livro como uma lapa, literalmente, não me apetecia fazer mais nada senão ler, estava constantemente a pensar tenho de ir ler tenho de saber o que se vai passar a seguir.
Este livro fez-me lembrar a série CSI.
Confesso que ao longo da narrativa fui pensando em vários suspeitos para serem o assassino, mas quando cheguei ao fim que o assassino não era nenhum dos que eu pensava que podiam ser.
Tenho aqui o segundo livro desta série mas não vou lê-lo já de seguida para não enjoar.

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Manhãs Gloriosas

Autor: Diana Peterfreund
Data de Publicação: Novembro de 2010
Editora: Quinta Essência
Páginas: 244
ISBN: 978-989-8228-42-0


Notícia de última hora: a ambiciosa produtora televisiva Becky Fuller é despedida de um programa matinal de Nova Jérsia e a sua carreira começa a parecer tão deprimente como a sua vida amorosa.
Desesperadamente necessitada de um emprego, mas ainda assim cheia de um optimismo sem limites, Becky promete assentar bem os pés na terra e depara-se com uma oportunidade no Daybreak, um programa matinal que é gravado em Nova Iorque. Os péssimos níveis de audiência são apenas a ponta do icebergue: os produtores executivos raramente sobrevivem ao intervalo publicitário seguinte e as câmaras antiquadas deviam estar num museu.
Prometendo ao director da cadeia televisiva que é capaz de reverter a espiral descendente, Becky faz ao lendário apresentador Mike Pomeroy uma oferta que, por contrato, ele não pode recusar. Acrescente Pomeroy com êxito à equipa, mas ele recusa-se a participar nas reportagens mais lamechas de Daybreak e em rubricas sobre celebridades, meteorologia, moda e artesanato. Além do mais, antipatiza imediatamente com a sua igualmente difícil co-apresentadora, Colleen Peck, e tempos vencedora de um concurso de beleza.
A única alegria na carreira de Becky é Adam Bennett, um colega produtor maravilhoso, mas a alucinação de Daybreak vem dificultar o seu incipiente romance. À medida que a química entre Mike e Colleen no ar se torna mais explosiva a cada dia, Becky é forçada a lutar para salvar a sua vida amorosa, a sua reputação, o seu trabalho, e, finalmente o próprio Daybreak.


Mais um livro em que a leitura foi custosa, não sei o que se passa mas ando muito estranha nada me agrada.
Quando li a sinopse pareceu-me interessante mas assim que o comecei a ler a coisa foi-se arrastando.
As personagens também não ajudam praticamente nada se sabe acerca delas para além do seu trabalho e das reuniões.
A história só gira à volta do programa de televisão e das dificuldades que enfrentam com um orçamento baixo e poucas audiências, que os levam a fazer as coisas mais absurdas com vista à subida da popularidade do programa.
Já para não falar na irritante personagem que é o apresentador masculino, que parece  que todo o mundo tem de girar em volta dele.
Este deve ser um caso em que o filme pode ser melhor que o livro, eu disse pode pois não o vi daí não poder opinar, mas o livro a mim nada me disse.

quarta-feira, 12 de junho de 2013

O Amor não Escolhe Idades



Autor: Sheila Norton
Data de Publicação: Setembro de 2006
Editora: Marcador
Páginas: 312
ISBN: 978-989-84-7082-9



O mundo de Rosie acaba de ser seriamente abalado. Tudo por causa de um simples e aparentemente inofensivo comentário que a descreve como agradável e simpática, mas monótona e pouco interessante. Ora, não é bem assim que Rosie gostaria de ser descrita. De facto, as palavras que lhe vêm mais à ideia são dinâmica, criativa e carismática.
A verdade é que Rosie estagnou. Está aborrecida com o seu emprego, tem um marido que se preocupa mais com a carreira do que com manter viva a chama da relação e os filhos não lhe deixam tempo para nada.
Mas como fazer com que a sua imagem exterior comunique a sua vontade interior?
Decide então contrariar o estigma de já não ser uma adolescente e inicia uma história de aventura que lhe devolvem a sensação de estar viva e lhe ensinam a aceitar as surpresas que a vida lhe reserva, descobrindo que a felicidade e o amor nada têm a ver com o passado ou com o futuro mas sim com aproveitar o presente. Um presente que só ela poderá fazer acontecer.


Não sei o que se passa comigo, será que é efeito dos comprimidos para as dores de dentes, mas de algum tempo para cá os livros que leio parece que não me enchem as medidas, fico sempre na dúvida se gostei ou não, embora haja partes de goste e outras não, mas não me consigo decidir no global se o livro é bom ou mau.
E este não é excepção, tem partes em que ri às gargalhadas outras que tive vontade de deixar a leitura a meio, mas a verdade é que acabei de o ler, o que por vezes exigiu algum esforço.
Fartei-me de rir na parte onde vão para Paris acontece todas aqueles peripécias que não deixam concretizar os planos do casal,parece que é mesmo verdade que só nos rimos do mal dos outros, pois se fosse connosco não íamos achar muita graça. E esta cena também me fez lembrar um livro da Jill Mansell "Paixões à Solta" em que há uma cena igual, onde também me fartei-me de rir.
De resto o final também quando estamos a ler parece uma coisa, mas afinal é outra, mas acho que isso é um truque da autora para nos deixar mesmo na dúvida.
E lá me vou repetir, também nunca tinha lido nada desta autora.
Desta vez também quero agradecer à minha amiga Clarinda do blogue Ler é Viver por mais um empréstimo e pela confiança depositada em mim.

terça-feira, 11 de junho de 2013

Emmett


Autor: Diana Palmer
Data de Publicação: Setembro de 2004
Editora: Harlequin
Páginas: 158
ISBN: 84-671-2152-1




Emmett Deverell detestava Melody Cartman porque tinha ajudado a sua ex-esposa a fugir com o seu amantes. Contudo, depois de sofrer um acidente num rodeo, não teve outro remédio a não ser recorrer a ela para que cuidasse dos seus três filhos. Melody também não ficou entusiasmada com a ideia, as crianças eram umas pestes! O mais velho Guy, odiava-a porque culpava-a pelo abandono da sua mãe. Para completar o quadro, as coisas complicaram-se ainda mais quando Emmett saiu do hospital e começou a sentir-se atraído por ela...



Nunca tinha lido nada desta autora, e com o empréstimo duma vizinha que sofre do mesmo mal vício em livros, lá me decidi a ler algo dela mas confesso que gostei mas não achei nada demais embora ela me tenha dito que os livros dela eram de se "comer" e chorar por mais.
É uma história engraçada que se lê bem e a escrita é fluída e simples, mas não sei acho que falta algo mais.

domingo, 9 de junho de 2013

A Primeira Noite


Autor: Marc Levy
Data de Publicação: Novembro de 2010
Editora: Contraponto
Páginas: 350
ISBN: 978-989-666-064-2



O amor é a derradeira aventura - mas todas as aventuras implicam perigos.
Do alto dos planaltos da Etiópia às paisagens glaciais dos Urais, Marc Levy conclui com o seu novo romance a epopeia iniciada em O Primeiro Dia.


Este livro é a continuação do livro "O Primeiro Dia", não sei porque achei este livro muito mais empolgante que o anterior, talvez por ter muito mais mistério e peripécias e também vamos conhecendo as personagens principais um pouco melhor.
Eles acabam por descobrir a maior parte das respostas à perguntas que os atormentavam.
Achei todo o livro muito cativante, mas o final desconcertou-me e deixou-me um pouco desiludida.
Quero agradecer à minha amiga Clarinda, do blogue Ler é Viver pelo empréstimo, deste e dos outros dois livros anteriores que li do mesmo autor.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Até que Ele nos Separe

Autor: Emily Giffin
Data de Publicação: Junho de 2011
Editora: Editorial Presença
Páginas: 339
ISBN: 978-972-23-4173-8


Rachel White sempre foi o protótipo da «menina certinha», que fazia o que se esperava dela e se sacrificava em prol dos outros. Só que, na manhã após a festa do seu aniversário, Rachel acorda ao lado do noivo da sua melhor amiga. O mais correcto seria esquecer o que aconteceu e seguir em frente, mas, à medida que a data do casamento se aproxima, Rachel descobre que as coisas não são assim tão simples, e em breve terá de escolher entre abrir mão da felicidade ou da sua amizade mais antiga. Um romance que lança um olhar pleno de lucidez e de sensibilidade sobre as nuances que existem no amor, na amizade e na traição.


Foi a minha estreia com esta autora, e confesso que nem sei bem o que dizer acerca do livro.
O livro tem partes hilariantes e muito alegre, mas a indecisão da parte de certas personagens leva o livro a arrastar-se quando podia ser mais curto e bem mais satisfatório.
Acho que se não tivesse tido tanta indecisão, e tantas fins-de-semana passados em desconfianças e subterfúgios, os quais achei muito difíceis de esconder, a história não era um pouco maçadora.
E o final depois de toda aquela emoção do desenlace e das confissões, as descobertas das "carecas", deixaram um final um pouco insípido, sem grande substância.

terça-feira, 4 de junho de 2013

Quem Me Dera que Estivesses Aqui



Autor: Francesc Miralles
Data de Publicação: Maio de 2010
Editora: Contraponto
Páginas: 210
ISBN: 978-989-666-009-3



No dia em que faz 30 anos, Daniel, um arquitecto de sucesso em Barcelona, é abandonado repentinamente pela sua noiva. Em pleno naufrágio emocional, tenta distrair-se a ouvir um CD que lhe foi oferecido por uma das suas poucas amigas íntimas. O álbum é de uma jovem cantora quase desconhecida chamada Eva Winter – e, para surpresa de Daniel, cada canção parece descrever, ao pormenor, a sua vida e as suas emoções.
Intrigado, Daniel toma uma decisão: sem avisar ninguém, parte para Paris em busca desta misteriosa cantora que parece conhecê-lo melhor do que qualquer outra pessoa. À sua espera, encontra as mais insólitas surpresas... e até, quem sabe, o amor da sua vida.



Este livro foi a minha estreia com o autor e confesso que não sei se gostei do livro ou não. e início promete e a coisa começa a entusiasmar a leitura com a súbita viagem para França. Mas quando "acha" aquilo de que foi à procura e afinal não é anda daquilo que estava à espera, acho que a narrativa segue um caminho um pouco forçado, para mim já não fazia sentido que continuasse em busca daquilo que já tinha encontrado, mas que como não correspondia às suas expectativas continuava a insistir em segui-la a ver o que podia ser modificado.

sexta-feira, 24 de maio de 2013

O Primeiro Dia



Autor: Marc Levy
Data de Publicação: Julho de 2010
Editora: Contraponto
Páginas: 363
ISBN: 978-989-666-062-8


Um objecto misterioso encontrado num vulcão adormecidos vai mudar para sempre a vida de Adrian e Keira. Juntos embarcarão numa aventura extraordinária que os levará das margens do lago Turkana, no coração de África, até às montanhas da China, em busca da resposta a uma das perguntas ancestrais da humanidade: como começou a vida na Terra?


Bem este livro tem que se lhe diga, desde o início assim que se lê a sinopse deixa aquele ar de mistério no ar, o que faz com que nos empolguemos logo à partida.
Depois à medida em que vamos lendo as coisas vão-se umas vezes revelando, outras escondendo-se, adensando ainda mais a trama e criando um maior suspense que nos deixa literalmente sôfregos por saber o que se irá passar.
Cada novo capítulo é uma ânsia para sabermos que novos desenvolvimentos irão ter lugar, e quando parece que vamos ver tudo nada, é o que parece e só avistamos uma pequena luz.
Com isto o autor cria um suspense permanente que não nos deixa descansar levando-nos a pensar sobre o livro mesmo quando não o estamos a ler.
Tem continuação, pois o mistério no final deste livro em vez de se dissipar adensa-se.
Estou ansiosa para saber o que se irá passar.
E isto tudo para dizer que adorei o livro embora ainda não tenha percebido muito bem que raio de organização é aquela que segue os passos dos nossos cientistas.

segunda-feira, 20 de maio de 2013

As Coisas Impossíveis do Amor



Autor: Ayelet Waldman
Data de Publicação: Agosto de 2012
Editora: Editorial Presença
Páginas: 321
ISBN: 978-972-23-4858-4


Emilia Greenleaf casou com o homem da sua vida, Jack, um advogado bem-sucedido por quem nutre uma paixão intensa. Mas com o marido não veio só uma vida idílica em Manhattan, veio também William, o enteado de cinco anos, uma criança precoce e superprotegida, cuja teimosia e observações constantes deixam Emilia exasperada. A distância que os separa aumenta ainda mais quando Emilia se vê confrontada com a morte da sua filha recém-nascida e consumida pela dor e pela culpa. Conseguirá Emilia manter-se à tona sem pôr em perigo tudo aquilo que é mais importante na sua vida?



Bem estava curiosa com este livro e confesso que ao longo da leitura fui mudando de opinião acerca do mesmo. Alturas houve em que estava a gostar do que estava a ler, outras tinha vontade de parar de ler e não voltar a pegar no livro, outras não conseguia de parar de ler.
Resultado depois de o já ter acabado de ler há alguns dias ainda não sei o que pensar acerca do mesmo, nem que escrever acerca do mesmo.
As personagens são muito complicadas dá a sensação que não sabem o que procuram, nem o que querem, nem o que pensam, nem do que gostam ou do que são.
Um livro estranho, muito embora nos deixe ainda mais curiosos com o final.

domingo, 19 de maio de 2013

A Próxima Vez



Autor: Marc Levy
Data de Publicação: Março de 2010
Editora: Contraponto
Páginas: 229
ISBN: 978-989-666-059-8


Jonathan é um especialista em arte com uma paixão inexplicável pela obra do pintor russo Vladimir Radskin. Quando, nas vésperas do seu casamento, lhe chega a notícia de que uma galeria em Londres tem em sua posse cinco quadros do pintor - entre elas, possivelmente, a sua mítica última obra, A Jovem do Vestido Vermelho, misteriosamente desaparecida em 1868 -, Jonathan não hesita em partir. Ao chegar a Londres, encontra Clara, a dona da galeria, e é acometido por uma forte sensação de déjà-vu: já viu aquele rosto, já ouviu aquela voz. Mas onde, e quando? Será que entre eles há algo mais em comum do que uma paixão por pintura? A sua busca leva-os a uma loja de tintas em Florença, de um laboratório no Louvre a uma misteriosa mansão em Inglaterra. Quanto mais Jonathan e Clara descobrem acerca da última obra de Radskin, mais descobrem acerca de si próprios: três vidas muito diferentes, três destinos entrelaçados, presos numa corrida contra o tempo...


Já não é o primeiro livro que leio deste autor e houve uns que gostei mais do que outros, mas este surpreendeu-me e de que maneira, já me tinha esquecido que o primeiro livro que li do autor "E Se Fosse Verdade?", me deixou tão surpreendida como este.
Quando li a sinopse vi que tinha a ver com quadros e obras de arte e pensei bem deve ser uma autêntica chachada, e não é que me enganei?
A medida que a narrativa avança as coisas vão ficando cada vez mais misteriosas, e deixando o leitor de pulga atrás da orelha, chegamos e um ponto que queremos ler mais e mais, é difícil par, pois estamos em pulgas para saber o que se irá passar.
E ao mesmo tempo que vamos desvendando o mistério, também vamos ficando a conhecer a história das personagens que se vão dando a conhecer.
Adorei.