domingo, 8 de março de 2009

Todos e nenhum


Todos e nenhum
Henrique Nicolau

"Cuspiu na palma das mãos para melhor segurar o cabo, deu duas ou três enxadadas particularmente energéticas, parou de súbito, e , com um desabafo que se atira ao vento, disse: - Isto de matar um homem, tem muito que se lhe diga! E as vezes até pode acontecer por acaso."

Após ter lido "Uma vida em beleza" do Henrique Nicolau e ter simplesmente adorado o livro, mais pela escrita do autor, aproveitei o lanço e peguei noutra obra do mesmo que já se encontrava nas nossas estantes.

Uma semana de férias passada na aldeia, na casa de uns amigos, transforma-se num desafio para o jornalista, que ouve por acaso falar numa estranha morte. O mistério que se cria em redor da morte do Pimenta vai aumentando tanto como a curiosidade do jornalista. Numa aldeia em que as pessoas todas se conhecem, e todos tentam esconder os seus podres e males, vêm-se a descobrir histórias inimagináveis. Tudo é dito em meias palavras e tudo é escondido do lisboeta bisbilhoteiro.

Todos e Nenhuns é uma belíssima obra. Muito original a nível de história, bem escrito e divertido. Com um linguagem muito própria e característica, com vários regionalismos que me fazem relembrar a minha própria aldeia.

1 comentário:

Anónimo disse...

http://ossonseasletras.blogspot.com/